Terapêutica antirretrovírica dupla: uma abordagem poupadora de toxicidades?

Dr. Eugénio Teófilo

Infecciologia

Terapêutica antirretrovírica dupla: uma abordagem poupadora de toxicidades?

Os estudos GEMINI 1&2 (com resultados às 144 semanas) demonstraram, pela primeira vez, que a biterapia com dolutegravir/lamivudina (DTG/3TC), usada como estratégia de tratamento inicial (inclusão de doentes naïve), foi não-inferior à terapêutica antirretrovírica tripla, o standard-of-care que vigora desde a década de 90 do século passado. Em entrevista à Médico News, o Dr. Eugénio Teófilo, internista do Centro Hospitalar de Lisboa Central (Hospital dos Capuchos), afirmou que, atualmente, estão a ser concebidas outras estratégias terapêuticas duplas, com o intuito de poupar o doente a toxicidades cumulativas, induzidas por esquemas de tratamento com maior número de fármacos.

Por favor faça ou registe-se para aceder a este conteúdo

Médico News

Médicos

ou