Obesidade é doença. É a doença do presente e do futuro

Dr.ª Joana Louro

Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo

Obesidade é doença. É a doença do presente e do futuro

“A obesidade é uma das doenças mais prevalentes, mais subvalorizadas, menos diagnosticadas e menos tratadas da atualidade. Mais que um problema de Saúde Pública é um problema prioritário de Saúde Pública!”. Quem o diz é a Dr.ª Joana Louro, internista na Unidade Hospitalar das Caldas da Rainha, Centro Hospitalar do Oeste, e membro do Núcleo de Estudos da Diabetes Mellitus da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna. Leia o artigo de opinião.

Atualmente, 38 % da população mundial (o equivalente a 2,6 mil milhões de pessoas) já é obesa ou tem excesso de peso. E, sem mudanças substanciais, o número vai agravar-se! Até 2035, mais de metade da população mundial (51 %) deverá tornar-se obesa ou com excesso de peso. E a obesidade entre crianças e jovens deverá, de acordo com os dados atuais, aumentar mais rapidamente do que entre os adultos.

Sabemos ainda que a obesidade aumenta substancialmente o risco de doenças como diabetes mellitus tipo 2, hipertensão, enfarte agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral, demência, osteoartrite, apneia obstrutiva do sono e vários tipos de cancro. E está, como tal, associada a elevada morbilidade e mortalidade. É difícil encontrar qualquer patologia que não seja mais prevalente no individuo obeso, ou cuja obesidade não a agrave.

E como quase sempre acontece nestes grandes problemas de Saúde Pública, são os países mais pobres e as classes sociais mais desfavorecidas, os que enfrentam maiores aumentos na obesidade, correndo riscos ainda mais graves por não estarem preparados para lidar com a doença.

E para além da sua dimensão clínica, a obesidade tem ainda grandes repercussões de dimensão económica e social. Mais que o impacto direto nos custos de Saúde, está ainda associada ao desemprego e à diminuição da produtividade, e assume contornos de flagelo social.

É incontornável: Se falharmos hoje na reposta a obesidade, as repercussões futuras serão gritantes! Segundo o relatório da Federação Mundial para a Obesidade, o custo global desta doença pode atingir os 4,32 biliões de dólares em pouco mais de uma década.

Precisamos mesmo de encarar a dimensão dos números e do problema! A obesidade é uma das doenças mais prevalentes, mais subvalorizadas, menos diagnosticadas e menos tratadas da atualidade. Mais que um problema de Saúde Pública é um problema prioritário de Saúde Pública!

Para o enfrentar são requeridas estratégias de prevenção, mas também de tratamento, em abordagens que combinem intervenções individuais com mudanças sociais e políticas. Abordagens que têm de envolver profissionais de saúde, mas também a sociedade civil e, naturalmente, os decisores políticos. Não podemos continuar a ignorar. É urgente agir! É urgente prevenir! É ainda mais urgente tratar! Afinal, a obesidade é uma doença!


Médico News

Médicos

ou